Informações Médicas

Home Versão em PDF
Copyright © 1997 - 2019 Dr. Pierre d'Almeida Telles Filho

Asma Brônquica

Tratamento da Asma

Monitoramento da Inflamação

As características principais da asma são a limitação intermitente ao fluxo aéreo, a presença de hiperresponsividade brônquica (HRB), a inflamação brônquica e o remodelamento. De todas, a inflamação é a manifestação principal, sendo os corticoides por inalação as drogas de primeira linha para o seu tratamento, prescritos a partir da etapa 2 de sua abordagem para controlar a doença.

O tratamento dos pacientes com asma depende do monitoramento dos sintomas e da função pulmonar (VEF1, PFE). Como pôde ser avaliado nos capítulos anteriores, a inflamação brônquica pode estar presente em pacientes asmáticos, mesmo quando assintomáticos, sugerindo que parâmetros clínicos e da função pulmonar não são suficientes para refletir a extensão da inflamação.

A avaliação da inflamação brônquica pode ser efetuada através de procedimentos invasivos (broncoscopia com biópsias e lavado broncoalveolar) ou não-invasivos, que incluem os testes de provocação diretos e indiretos e os os marcadores biológicos da asma (Tabela 1).

Tabela 1 – Marcadores Biológicos na Asma.

 

Testes de Provocação

A hiperresponsividade das vias aéreas (HRB) é uma das características da asma, estando diretamente relacionada à inflamação, sendo avaliada pelos chamados testes de provocação. A HRB é um aumento anormal na limitação ao fluxo aéreo após exposição a estímulos, sendo que a maioria dos pacientes com asma sintomática apresenta HRB mensurável. Pacientes com asma leve, durante as exacerbações, apresentam vias aéreas menos responsivas do que aqueles com asma severa.1

Um grande número de estudos detectou correlações entre a HRB e os componentes celulares da inflamação brônquica, com a variação do calibre das vias aéreas, com os sintomas e com a gravidade clínica da doença. Por outro lado, igual número de publicações não obteve correlação significativa entre os marcadores de inflamação e o grau de HRB.2,3 A aplicabilidade clínica dos testes de provocação para a monitoração da inflamação ainda está por ser determinada, em decorrência de controvérsias. Por exemplo, Sont et al.4 em estudo recente propuseram a incorporação do teste de provocação à metacolina como um teste adicional para o acompanhamento e ajuste da terapia anti-inflamatória. Por outro lado, Crime et al.5 não encontraram associação entre hiperresponsividade e inflamação brônquicas. Nesta publicação, a análise por regressão múltipla não revelou correlação significativa entre o grau de responsividade à metacolina e o número de células inflamatórias no escarro, no lavado broncoalveolar e em biópsias brônquicas. Crime et al.5 utilizaram uma grande amostra com cerca de 71 pacientes, sendo que a HRB encontrada independia do número de células inflamatórias na mucosa ou luz das vias aéreas. Deve levar-se em consideração que apesar de ser um teste bem padronizado, sua execução não pode ser considerada fácil, não sendo também isenta de riscos.

Marcadores de Sangue

A contagem dos eosinófilos e a dosagem da ECP sérica, são pouco utilizadas como marcadores em virtude de fraca correlação da eosinofilia do soro com o número de eosinófilos obtidos através de biópsia brônquica,6 apresentando pouca especificidade para a doença. A correlação da ECP com o número de eosinófilos das biópsias também é variável, com baixa especificidade. O aumento da ECP não é encontrado somente na asma, ocorrendo em outras doenças como,  por exemplo, a fibrose cística. A ECP é mais sensível do que a mera contagem dos eosinófilos sanguíneos porém, menos sensível do que a contagem dos eosinófilos no escarro.7 Outros marcadores têm sido propostos como o receptor solúvel da IL-2 (CD25), ainda desprovido de avaliações mais detalhadas e de larga escala.8,9

A periostina, é uma proteína da matrix extracelular, mensurável no sangue periférico, induzida pela IL-4 e IL-13 no epitélio das vias aéreas e fibroblastos pulmonares. Ela provou ser um importante biomarcador  TH2-associado  a  inflamação das vias aéreas, e potencial preditor da maior expressão de eosinofilia e mediadores inflamatórios  nas vias aéreas. É um marcador que pode seguir em paralelo com a medição do FENO e principalmente com a dosagem de eosinófilos tanto no escarro, como em biópsia brônquica. Há limitações de seu uso principalmente em pacientes com osteoporose e fraturas recentes. Este aspecto se deve ao fato de a periostina ser uma proteína extracelular produzida por osteoblastos. Alguns tumores especialmente associados à metástases ósseas também podem gerar resultados séricos elevados.10

Marcadores Urinários

A peroxidase urinária eosinófilica (EPO) oferece uma vantagem sobre a ECP do soro, por ser menos invasiva, especialmente quando da análise em pacientes pediátricos com asma. Outras investigações em curso analisam os metabólitos eicosanóides na urina,  como o LTE4 e o 9a,11ß-PGF2. Vários estudos têm demonstrado o  aumento basal significativo da excreção do LTE4 em pacientes com asma, principalmente os sensíveis a aspirina.11-13

Escarro Induzido

Durante os últimos anos, um método utilizado no passado para o diagnóstico bacteriológico da tuberculose foi reintroduzido na prática clínica para permitir um rápido diagnóstico (não-invasivo) de infecções oportunísticas em pacientes com SIDA.14 Trata-se da indução da produção de escarro através de nebulização ultrassônica de solução salina hipertônica. A partir do começo da década de 90, o método foi adotado por alguns investigadores para o estudo da inflamação da asma.15-20

Esta nova aplicação, para uma técnica antiga, foi padronizada (Tabela 2) ao longo dos últimos anos, passando a ser utilizada tanto em protocolos de pesquisa como na clínica. No escarro induzido de indivíduos normais, o tipo celular predominante é o macrófago, com pequenas quantidades de neutrófilos. Em pacientes com DPOC, aumentam os macrófagos, mas muito mais os neutrófilos e há até mesmo pequenas quantidades de eosinófilos.

O escarro colhido de pacientes com exacerbação da asma contém um alto número de eosinófilos21 e de marcadores solúveis de inflamação, ocorrendo a redução de ambos  com o tratamento com corticoides por via oral22 e/ou por inalação,23,24 demonstrando que a contagem seriada do número destas células e a análise dos  mediadores pode ser útil para o monitoramento do tratamento, para a avaliação da adesão e para a determinação da gravidade da doença.

Tabela 2 – Protocolo para obtenção de escarro induzido

 

Esta metodologia, de boa reprodutibilidade, validade e responsividade ainda não é largamente utilizada em nosso meio, nem na prática clínica, nem como instrumento para o diagnóstico ou para o acompanhamento seriado da doença, pois trata-se de um exame com certas características técnicas especializadas que demandam recursos.25

O escarro é induzido através da inalação de solução salina hipertônica a 3% por períodos de 3 – 7 minutos ou 3, 4 e 5% por período de 5 minutos para cada percentual. Esta técnica pode ser aplicada em adultos e crianças acima de sete anos, podendo ser repetida em várias ocasiões. O aumento da resistência das vias aéreas através de solução salina hipertônica, que é um potente estímulo broncoconstritor indireto, pode ser minimizado pela nebulização prévia com ß2-agonista, o que não altera a avaliação da celularidade.26 No caso de pacientes com asma moderada/severa ou em vigência de crise, utiliza-se a solução isotônica (0,9%) que proporciona maior segurança, com resultados comparáveis aos obtidos pela nebulização com solução hipertônica, tanto na contagem celular de eosinófilos e neutrófilos como na avaliação dos mediadores/proteínas da fase líquida.27

O mecanismo da produção de escarro após provocação com solução salina hipertônica não é de todo conhecido. O sucesso da técnica parece estar relacionado à redução na viscosidade do muco traqueobrônquico por aumento do fluxo de água através do epitélio, ao aumento no volume secretado pelas glândulas das vias aéreas, ao aumento do clearance mucociliar e pela estimulação dos receptores da tosse. Os efeitos adversos da inalação incluem a queda do VEF1 (5-7%), queda na saturação de oxigênio e desconforto no paciente. Aconselha-se interromper a nebulização se ocorrer queda do VEF1 ≥ 20%.

As técnicas usadas para induzir e processar o escarro diferem pouco entre os vários grupos.28 Utiliza-se um nebulizador ultrassônico de débito moderado (ao redor de 1 ml/min) pois apresenta uma performance superior ao nebulizador de jato (tradicional) que apresenta baixo débito. Em alguns centros, o escarro é induzido pela inalação de concentrações progressivas de solução salina hipertônica por períodos fixos de tempo, enquanto que em outros centros a concentração é fixa, com períodos de tempo mais prolongado. A duração da inalação deve ser de 15 minutos, prorrogáveis por mais 5 minutos se uma amostra adequada não for obtida.

O processamento do material expectorado também difere, pois a saliva é um contaminante que pode influir na interpretação do exame. A contaminação salivar pode ser minimizada pela seleção microscópica da porção mucocelular viscosa da amostra.29,30 Uma segunda técnica processa toda a amostra, que engloba a saliva e o escarro. Outra técnica consiste na coleta seletiva de saliva e escarro, visando evitar a contaminação pela saliva. O escarro colhido separadamente da saliva contém maior proporção de células viáveis (células epiteliais do trato inferior baixo, macrófagos, neutrófilos, eosinófilos, mastócitos, basófilos, linfócitos), e menor quantidade de células epiteliais escamosas que provêem do trato respiratório superior, propiciando uma avaliação celular de melhor qualidade.

Alguns procedimentos tentam evitar a contaminação com as células epiteliais. Preconiza-se lavar a boca com água antes de cada expectoração, secando-a com lenço de papel. Recomenda-se assoar o nariz antes da indução para minimizar a contaminação com a descarga pós-nasal. No entanto, durante a indução o nariz deve ser obliterado com um " pince-nez ".

O processamento do material deve ser efetuado o mais rápido possível, dentro de 2 h, pois existe a possibilidade de ocorrer dano do material celular assim como dos mediadores solúveis. As amostras são mantidas no gelo. O escarro é expectorado sobre uma placa de Petri e então removido para um tubo  cônico onde é solubilizado.

As amostras selecionadas são colocadas em um tubo de poliestireno de 15 ml, liquefeitas pela adição de quatro vezes o seu volume, de um agente mucolítico, o ditiotreitol (DTT) a 0,1%, ou ditioeritritol (DTE), que se mostram mais eficazes na dispersão das células do que a técnica pela adição salina. Ambas atuam quebrando as pontes dissulfito das grandes moléculas de mucina. A mistura é agitada por 15 segundos e aspirada e ejetada através de uma pipeta de Pasteur. O tubo de poliestireno é colocado em um agitador de mesa e a amostra é agitada por 15 minutos. Logo após são adicionados 4 volumes de solução salina tamponada em fosfato de Dulbecco - D-PBS (Dulbeccos phosphate buffered saline) para sustar o efeito do DTT, prosseguindo a agitação por mais 5 minutos. A suspensão é filtrada  através de um filtro de náilon com microporos de 48 µm, para a obtenção de uma amostra homogênea, sem debris e muco. A suspensão obtida é centrifugada a 790 x g por 10 minutos e o sobrenadante aspirado e armazenado em tubos Eppendorf a - 70º C para futura análise dos componentes da fase líquida, tais como citocinas (IL-1ß, IL-5, IL-8, TNFa, RANTES...) e mediadores inflamatórios (ECP, triptase, fibrinogênio).

O conglomerado de células que se deposita no fundo (cell pellet) é aspirado por pipeta e a contagem total de leucócitos obtida através de uma câmara modificada de Neubauer (hemocitômetro). A viabilidade celular é determinada pelo método de exclusão do trypan blue (as células mortas aparecem em azul) e calcula-se o número absoluto de células por mg de escarro. Setenta e cinco µl da suspensão são colocados em recipientes de uma citocentrífuga e  quatro citospinas codificadas são preparadas a 450 rpm por 6 minutos. As lâminas são secas e coradas geralmente  pelo Giemsa, objetivando a futura:

 

 

  • Análise sob microscopia da composição celular da amostra (Figura 1);
  • Coloração imunocitoquímica de marcadores celulares (EG-2, triptase, HLA-DR...);
  • Citometria de fluxo para a determinação dos marcadores de superfície (eosinófilos, neutrófilos, linfócitos...).

O valor normal da contagem de eosinófilos no escarro é < 2%, sendo a sensibildade ao método alta quando o teste é efetuado em pacientes virgens de tratamento, sendo a especificidade média.62

Ar Exalado e Condensado

Vários gases, como o óxido nítrico (NO), o monóxido de carbono (CO) e hidrocarbonetos têm sido medidos no ar exalado de adultos e crianças. Mais recentemente, marcadores não-voláteis e mediadores (peróxido de hidrogênio, leucotrienos, prostaglandinas, citocinas, produtos de peroxidação de lipídios, adenosina, amônia, endotelina-1...) têm sido detectados no ar exalado e condensado. Estes marcadores exalados têm sido utilizados para monitorar a inflamação das vias aéreas e o estresse oxidativo na asma, DPOC, fibrose cística e bronquiectasias, assim como no acompanhamento da resposta terapêutica durante o tratamento com corticoides, modificadores de leucotrienos etc.

O CO endogenamente produzido, considerado um marcador da inflamação e do estresse oxidativo,31 encontra-se  moderadamente aumentado no adulto32 e na asma pediátrica.33 Os níveis elevados de CO na asma estável ocorrem devido a elevação da expressão da Heme-oxigenase-1 (HO-1), enzima capaz de ser  induzida por uma série de estímulos como, citocinas pró-inflamatórias, toxinas bacterianas, ozônio, etc. Devido a elevação da atividade HO-1, as concentrações de bilirrubinas no escarro induzido também se encontram elevadas. Em função da simplicidade da mensuração do CO e portabilidade dos analisadores de CO, está técnica pode ser útil no monitoramento da asma pediátrica.

Outra abordagem é efetuada através da medida de mediadores não-voláteis no condensado do ar expirado, a fase líquida do ar exalado (Figura 2). Este é um procedimento não-invasivo, fácil de ser executado por crianças ou pacientes, mesmo com asma severa. O paciente respira através de uma válvula que impede a reinspiração (válvula unidirecional), com um obliterador nasal e um dispositivo que evita a contaminação com a saliva. Geralmente dez minutos são suficientes para obter 2-4 ml de amostra, sendo bem tolerado pelo paciente. Durante a expiração, o ar flui através de um condensador, resfriado a - 20º C. Não se utiliza filtro entre o paciente e o condensador. O condensado é analisado por cromatografia gasosa e/ou extração especrofotométrica, ou por imunoensaio.34

O condensado de asmáticos contêm níveis elevados de leucotrienos (B4, C4, D4, E4). Altos níveis de nitrito/nitrato (NO2- /NO3- ) e S-nitrosotióis, produtos da interação do NO com o superóxido e tióis, têm sido encontrados no condensado exalado de pacientes asmáticos,35 assim como níveis elevados de 8-isoprostane F2a, outro marcador não invasivo do estresse oxidativo.36 Níveis elevados de nitrotirosina no condensado exalado estão associados a piora nos sintomas da asma e deterioração na função pulmonar quando da suspensão do tratamento com corticoides por inalação na asma moderada,37 qualificando a nitrotirosina como um agente preditivo da deterioração da asma (Figura 3).

As medidas da adenosina no condensado exalado são reprodutíveis e se encontram aumentadas na asma esteroide-naïve e em pacientes com exacerbação da doença, servindo como marcador e na monitoração da inflamação brônquica aguda e crônica. Em pacientes que utilizam o corticoide por inalação como tratamento, com redução do nível de inflamação, a concentração de adenosina cai aos níveis encontrados no grupo controle não-asmático (Figura 4 ).38

Pesquisadores da Universidade de Bari, Itália, relataram pela primeira vez no Annual Meeting of the American Academy of Allergy, Asthma and Immunology (AAAAI) de 2004, que o pH do condensado exalado é capaz de predizer exacerbações de asma em crianças. Estudaram 104 crianças com asma leve persistente, 70 com doença estabilizada enquanto que 34 tiveram exacerbações. Destas com asma descontrolada, o pH do condensado apresentava significante redução (7,25) enquanto que o pH das crianças com doença estabilizada era de 7,32. Ambos eram, no entanto, menor do que o pH do condensado de crianças sem asma (7,78). Após o tratamento ocorreu ascenção de 7,25 para 7,75.39 Havia correlação entre o pH e o VEF1.

Óxido Nítrico Exalado

O NO é um radical livre gasoso, com uma meia-vida extremamente curta, de alguns segundos, rapidamente destruído pela interação como o oxigênio. Na asma o NO é o teste de respiração exalada mais utilizado na prática clínica. Trata-se de um teste útil, prático, confortável, sensível, reprodutível, não-invasivo, que apresenta forte correlação com a inflamação das vias aéreas.

As técnicas e os valores de referência para todas as idades para a medida do NO exalado foram estandardizados pela European Respiratory Society (ERS) e pela American Thoracic Society (ATS) em 2005.41 Recentemente os consensos foram atualizados, esperando-se novas publicações para breve. As normas para o paciente pediátrico, aprovadas pela ATS e ERS, também estão disponíveis. 42

A medida é efetuada através de aparelhos que utilizam analisador de gás NO (Figura 5) por quimiluminescência, de alta sensibilidade e especificidade, capaz de detectar moléculas de NO em muito baixas concentrações. A análise por quimiluminescência é baseada na medida da intensidade da radiação fluorescente emitida após oxidação química do NO pelo ozônio – NO  +  O3 –, utilizando um tubo fotomultiplicador sensível. O produto desta reação é o NO2* +  O2   (onde * simboliza a luz emitida). O NO2* emite um fóton e o número total de fótons produzidos é proporcional a concentração de NO.47

O teste é efetuado pelo método de respiração única:

1. Na posição sentada o paciente esvazia os pulmões;

2. Através da peça bucal o paciente inala ar isento de NO, em 2 – 3 segundos, eliminando a possibilidade de qualquer contaminação através do ar ambiente, até o nível da CPT;

3. Sem interrupção, passa então a exalar lentamente através da peça bucal, durante 10 segundos, mantendo o fluxo expiratório constante de 0,05 l .segundo -1 (BTPS) através de uma válvula mecânica contendo uma membrana elástica, quando ao final efetua-se a leitura. Uma pressão de 5-20 cm H2O é gerada durante a exalação, o que fecha o palato, propiciando a exclusão nasal.

4. O valor da FENO é calculado pela criação de um platô por no mínimo 3 segundos. Como a exalação ocorre em 10 segundos, o platô situa-se entre 70 a 100% da exalação (entre 7 – 10 segundos) (Figura 6).

Em não-fumantes, a fração exalada normal de NO (FENO50) é < 25 partes por bilhão (ppb) para adultos a 50 ml/seg e em crianças < 20 ppb. Valores maiores que 50 ppb são altamente preditivos de inflamação TH2 eosinofílica de vias aéreas e de provável resposta positiva ao tratamento com corticoide por inalação (Tabela 3).

Tabela 3 - Níveis de FeNO e Inflamação

As medidas da FENO podem ser efetuadas em quase todos os adultos e crianças acima de cinco anos. Níveis menores de FENO de 30-60%, dependendo do consumo diário, são encontrados em fumantes. Infecções respiratórias elevam a a FENO, como no caso do Rinovírus, que pode oscilar de 50-150%, quando se deve repetir o exame dentro de 14 dias.63

Evolutivamente, reduções na FENO (< 25 ppb em adultos; < 20 em crianças abaixo de 12 anos) podem ter um papel na identificação de pacientes em que se pode reduzir com segurança as doses de corticoide.

Valores entre > 25 em adultos são encontrados 70-80% de pacientes com asma não tratada, na asma neutrofílica, na síndrome da hiperventilação/ansiedade, na disfunção das cordas vocais, na rinossinusite, na doença do refluxo gastroesofageano (DRGE) e na doença cardíaca e em 30-40% dos pacientes com tosse crônica. Nas crianças, medidas entre 25-40 são encontradas na DRGE, na asma neutrofílica, na síndrome da hiperventilação e nas imunodeficiências.

Considera-se como altamente provável a inflamação eosinofílica sempre que a FENO50 for > 50 ppb em adultos e > 35 ppb em crianças. Considerar nesta situação as hipóteses de asma atópica, se a história for compatível e se o VEF1 for < 80% do teórico, bronquite eosinofílica e síndrome de Churg-Strauss.

Aumentos na FENO são observados na asma e em outras condições não-eosinofílicas, como infecções virais das vias aéreas, síndrome da bronquiolite obliterante e na DPOC. Nos pacientes com asma os valores podem se elevar 3-5 vezes. Se as medidas se mantêm elevadas apesar de tratamento anti-inflamatório, devem ser consideradas as possibilidades de: pouca aderência ao tratamento, recente exposição a alérgenos ou fatores desencadeantes, dose inadequada do anti-inflamatório ou a possibilidade de tratar-se de um não-respondedor aos anti-inflamatórios. A medida da FENO deve sempre ser efetuada antes da espirometria, ou de qualquer atividade física e os examinados devem abster-se, por uma hora, de fumar ou ingerir alimentos ou líquidos. As infecções virais,43 a rinite alérgica44 e dieta rica em nitrato45 podem influenciar os resultados, elevando-os. O tabagismo reduz os valores da FENO. Fumantes "saudáveis" normalmente têm níveis de FENO entre 2-10 ppb.46 Quando os resultados são elevados, pode significar inflamação eosinofílica, merecendo investigação criteriosa, principalmente se houver história de asma em algum período da vida. A sensibilidade do teste FENO é alta em paciente não tratados enquanto a sensibilidade é cosiderada média60.

Os corticoides não têm efeito no NO exalado em indivíduos normais,48 porém reduzem a FENO em asmáticos, principalmente naqueles com doença severa.49,50 Na asma atópica, níveis elevados exalados (bucal e nasal) de NO correlacionam-se de forma significativa com os testes cutâneos, a IgE total e a eosinofilia sanguínea. A FENO é extremamente sensível ao tratamento com corticoides, sendo que a redução no NO pode ser detectada após 6 h de uma única dose de corticoide nebulizado, ou dentro de 2 – 3 dias após o tratamento com corticoide inalado.51-53 (Figura 7) Níveis persistentemente elevados da FENO em pacientes asmáticos tratados com corticoides refletem ou a pouca aderência do paciente ao tratamento ou um tratamento não eficaz.54-56

O tratamento guiado por FENO reduz significativamente as taxas de exacerbação em comparação com o tratamento baseado em diretrizes, pelo menos em crianças.57 No entanto, mais estudos são necessários para identificar as populações com maior probabilidade de se beneficiar do tratamento guiado por escarro ou guiado por FENO,57,58 e a frequência ideal de monitoramento do FENO.

Adenosina

A inflamação das vias aéreas em pacientes com asma se correlaciona com a responsividade induzida pela adenosina.59 Contrastando com o teste de provocação pela metacolina, que atua diretamente no músculo liso das via aéreas, a adenosina inalada atua indiretamente pela ativação de receptores adenosina dos mastócitos, resultando na liberação de mediadores, como a histamina, que causam broncoconstrição.

Estudos têm sido efetuados a fim de investigar se a responsividade das vias aéreas à adenosina pode ser utilizada como parâmetro de monotoramento para o tratamento anti-inflamatório. O uso tanto do corticoide inalado como oral resulta em significante redução da responsividade à adenosina. Na asma leve, o tratamento por um mes com budesonida inalada reduz a responsividade à adenosina de forma significante.60 A redução da inflamação em pacientes tratados com fluticasona, se correlaciona melhor com mudanças da responsividade à adenosina do que com a metacolina.61 Após a instituição de corticoide por inalação, mudanças na responsividade à adenosina podem ser detectadas após uma semana de tratamento, enquanto que mudanças na resposividade à metacolina ocorrem somente após um mes.

Referências

01.Lötvall J, Inman M, O'Byrne p. Measurement of airway hyperresponsiveness: new considerations. Thorax 2000; 53:419.

02.Brusasco V, Crimi E, Pellegrino R. Airway responsiveness in asthma: not just a matter of airway inflammation. Thorax 1998; 53:992.

03.Rosi E, Scano G. Association of sputum parameters with clinical and functional measurements in asthma. Thorax 2000; 55:235.

04. Sont JK, Willems LN , Bel EH, van Krieken JH, Vandenbroucke JP, Sterk PJ. Clinical control and histopathologic outcome of asthma when using airway hyperresponsiveness as an additional guide to long-term treatment. The AMPUL Study Group. Am J Respir Crit Care Med 1999; 159:1043.

05.Crimi E, Spanevello A, Neri M, Ind PW, Rossi GA, Brusasco V. Dissociation between airway inflammation and airway hyperresponsiveness in allergic asthma. Am J Respir Crit Care Med 1998; 157:4.

06.Niimi A, Amitani R, Suzuki K, Tanaka E, Murayama T, Kuze F. Serum eosinophil cationic protein as a marker of eosinophilic inflammation in asthma. Clin Exp Allergy 1998; 28:233.

07.Mcivor RA, Pizzichini E, Turner MO, Hussack P, Hargreave FE, Sears MR. Potential masking effects of salmeterol on airway inflammation in asthma. Am J Respir Crit Care Med 1998; 158:924.

08.Lassalle P, Sergant M, Delneste Y, Gosset P, Wallaert B, Zandecki M. Levels of soluble IL-2 receptor in plasma from asthmatics. Correlations with blood eosinophilia, lung function, and corticosteroid therapy. Clin Exp Immunol 1992; 87:266.

09.Lai CK, Chan CH, Leung JC, Lai KN. Serum concentration of soluble interleukin 2 receptors in asthma. Correaltion with disease activity. Chest 1993; 103:782.

10.Berry, A et al. Biomarkers in asthmatic patients: Has their time come to direct treatment? J Allergy Clin Immunol, 137:1317-24, 2016.

11.Kumlin M, Dahlén B, Bjorck T, Zetterstrom O, Granstrom E, Dahlen SE. Urinary excretion of leukotriene E 4 and 11-dehydrothromboxane B 2 in response to bronchial provocation with allergen, aspirin, leukotriene D 4 and histamine in asthmatics. Am Rev Respir Dis 1992; 146:96.

12.Kumlin M, Stensvad F, Larsson L, Dahlen B, Dahlen SE. Validation and application of a new simple strategy for measurements of urinary leukotriene E 4 in humans. Clin Exp Allergy 1995; 25:467.

13.Smith CM, Hawksworth RJ, Thien FCK, Christie PE, Lee TH. Urinary leukotriene E 4 in bronchial asthma. Eur Respir J 1992; 5:693.

14.Bigby TD, Margolskee D, Michael PF, Sheppard D, Hadley WK, Hopewell PC. The usefulness of induced sputum in the diagnosis of Pneumocystis carinii pneumonia in patients with the acquired immunedeficiency syndrome. Am Rev. Respi. Dis 1986; 113:515.

15.Fahy JV, Liu J, Wong H, Boushey HA. Cellular and biochemical analysis of induced sputum from asthmatic and from healthy subjects. Am Rev Respir Dis 1993; 147:1126.

16.Fahy JV, Wong H, Liu J, Boushey HA. Comparison of samples collected by sputum induction and bronchoscopy from asthmatic and healthy subjects. - Am J Respir Crit Care Med 1995; 152:53.

17.Gibson PG, Girgis-Gabardo A, Morris MM, Mattoli S, Kay JM, Dolovich J, Denburg JA, Hargreave FE. Cellular characteristics of sputum from patients with asthma and chronic bronchitis. Thorax 1989; 44:689.

18.Hargreave FE, Popov T, Kidney J, Dolovich J. Sputum Measurements to Assess Airway Inflammation in Asthma . Allergy 1993; 48:81.

19. Maestrelli P, Calcagni PG, Saetta M, Di Stefano A, Hosselet JJ, Santonastaso A, Fabbri LM, Mapp CE. Sputum eosinophilia after asthmatic responses induced by isocyanates in sensitized subjects. Clin Exp Allergy 1994; 24:29.

20. Pin I, Gibson PG, Kolendowicz R, Girgis-Gabardo A, Denburg JA, Hargreave FE, Dolovich J. Use of induced sputum cell counts to investigate airway inflammation in asthma . Thorax 1992; 47:25.

21.Gibson PG, Wong BJO, Hepperle MJE et al . A research method to induce and examine a mild exacerbation of asthma by withdrawl of inhaled corticosteroid. Clin Exp Allergy 1992; 22:525.

22.Claman DM, Boushey HA, Liu J, Wong H, Fahy JV. Analysis of ind uced sputum to examine the effects of prednisone on airway inflammation in asthmatics subjects. J Allergy Clin Immunol 1994; 94:861.

23.Pizzichini MMM, Pizzichini E, Clelland L, Efthi-miads A, Mahony J, Dolovich J et al. Sputum in severe exacerbations of asthma. Kinetics of inflammatory ind ices after prednisone treatment. Am J Respir Crit Care Med 1997; 155:1501.

24.Booth H, Richmond I, Ward C, Gardiner PV, Harkawat R, Walters EH. Effect of high inhaled fluiticasone propionate on airway inflammation in asthma. Am J Respir Crit Care Med 1995; 152:45.

25.O'Byrne PM, Inman MD. Induced sputum to assess airway inflammation in asthma. Eur Respir J 1996; 9:2435.

26.Pizzichini MM, Kidney JC, Wong BJ et al . Effect of salmetrol compared with beclomethasone on allergen-induced asthmatic and inflammatory responses. Eur Respir J 1996; 9:449.

27.Cataldo D, Foidart JM, Lau L, Bartsch P, Djukanovic R, Louis R. Induced sputum - Comparison between isotonic and hypertonic saline solution inhalation in patients with asthma. Chest 2001; 120:1815.

28.Kips JC, Peleman RA, Pauwels RA. Methods of examining induced sputum: do differences matter? Eur Respir J 1998; 11:529.

29.Chodosh S, Zaccheo CV, Segal MS. The cytology and histochemistry of sputum cells. Am Respir Dis 1962; 85:635.

30.Gibson PG, Girgis-Gabardo A, Morris MM et al . Cellular characteristics of sputum from patients with asthma and chronic bronchitis. Thorax 1989; 44:693.

31.Donnelly LE, Barnes PJ. Expression of heme oxygenase in human airway epithelial cells. Am J Respir Cell Mol Biol 2001; 24:295.

32.Zayasu K, Sekizawa K, Okinaga S et al. Increased carbon monoxide in exhaled air of asthmatic patients. Am J Respir Crit Care Med 1997; 156:1140.

33.Uasuf CG, Jatakanon A, James A et al. Exaled carbon monoxide in childhood asthma. J Pediatr 1999; 135:569.

34.Kips JC, Kharitonov SA, Barnes PJ. – Noninvasive assessment of airway inflammation in asthma. In : F. Chung, L.M. Fabbri. Asthma. European Respiratory Monograph 2003; 8:164-179

35.Corradi M, Montuschi P, Donnely LE et al. Increased nitrosothiols in exhaled breath condensate in inflamatory airway diseases. Am J Respir Crit Care Med 2001; 163:854.

36.Montuschi P, Corradi M, Ciabattoni G et al. Increased 8-isoprostane, a marker of oxidative stress, in ehaled condensate of asthma patients. Am J RespirCrit Care Med 1999:160.

37.Hanazawa T, Kharitonov SA, Barnes PJ. Increased nitrotyrosine in exhaled breath condensate of patients with asthma. Am J Respir Crit Care Med  2000 162:1273.

38.Huszár É, Vass G, Vizi É, Csoma Zs, Barát E, Molnár Világos Gy, Herjavecz I, Horváth I. Adenosine in exhaled breath condensate in healthy volunteers and in patients with asthma. Eur Respir J 2002; 20:1393-1398.

39.Researchers explore mechanisms of allergic disease at 2004 AAAAI Annual Meeting (online). Disponível na internet via www. URL: http://www.aaaai.org/media/news_releases/2004/03/032304a.stm. Arquivo capturado em 24 de março de 2004.

40.Kharitonov SA, Alving K, Barnes PJ. Exhaled and nasal nitric oxide measurements: recommendations. Eur Respir J 1997; 10:1683.

41.ATS/ERS recommendations for standardized procedures for the online and offline measurement of exhaled lower respiratory nitric oxide and nasal
nitric oxide. Am J Respir Crit Care Med 2005;171:912-30.

42.Baraldi E, de Jongste JC; European Respiratory Society; American Thoracic Society. Measurement of exhaled nitric oxide in children. Eur Respir J 2002; 20:223.

43.Murphy AW, Platts-Mills TA, Lobo M, Hayden F. Respiratory nitric oxide levels in experimental human influenza. Chest 1998; 114:452.

44.Henriksen AH, Sue-Chu M, Lingaas HT, Langhammer A, Bjermer L. Exaled and nasal NO levels in allergic rhinitis: relation to sensitization, pllen season and bronchial hyperresponsiveness. Eur Respir J 1999; 13:301.

45.Olin AC, Aldenbratt A, Ekman A et al. Increased nitric oxide in exaled air after intake of a nitrate-rich meal. Resp Med 2001; 95:153.

46.Verleden GM, Dupont LJ, Verpeut AC, Demedts MG. The effect of cigarette smoking on exhaled nitric oxide in mild steroid-naïve asthmatics. Chest 1999; 116:59.

47.Archer S. Measurement of nitric oxide in biological models. FASEB J 1993; 7:349.

48.Yates DH, Kharitonov AS, Robbins RA, Thomas OS, Barnes PJ. Effect of a nitric oxide synthase inhibitor and a glucocorticosteroid on exhaled nitric oxide. Am J Respir Crit Care Med 1995; 152:892.

49.Baraldi E, Dario C, Ongaro R, Scollo M, Azzolin NM, Panza N, Paganini N, Zacchelo F. Exhaled nitric oxide concentrations during treatment of wheezing exacerbation in infants and young children. Am J Respir Crit Care Med 1999; 159:1284.

50.Baraldi E, Azzolin NM , Zanconato S, Dario C, Zacchello F. Corticosteroids decrease exhaled nitric oxide in children with acute asthma. J Pediatr 1997; 131:381.

51.Kharitonov SA, Yates DH, Barnes PJ. Inhaled glucocorticosteroids decrease nitric oxide in exhaled air of asthmatics patients. Am J Respir Crit Care Med 1996; 153:454.

52.Kharitonov SA, Yates DH, Chung KF, Barnes PJ. Changes in the dose of inhaled steroid affect exhaled nitric oxide levels in asthmatic patients. Eur Respir J 1996; 9:196.

53.Kharitonov SA, Donnelly LE, Corradi M, Montuschi P, Barnes PJ. Dose-dependent onset and duration of action of 100/400 mcg budesonide on exhaled nitric oxide and related changes in other potential markers of airway inflammation in mild asthma. Am J Respir Crit Care Med 1996; 161:A186.

54.Artlich A, Bush T, Lewandowski K, Jonas S Gortner L, Falke KJ. Childhood asthma: exaled nitric oxide in relation to clinical symptoms. Eur Respir J 1999; 13:1396.

55.Stirling RG, Kharitonov SA, Campbell D, Robinson DS, Durham B, Chung KF, Barnes PJ. For the Asthma and Allergy Group. Increase in exhaled nitric oxide levels in patients with difficult asthma and correlation with symptoms and disease severity despite treatment with oral and inhaled corticosteroids. Thorax 1998; 53:1030.

56. van Rensen ELJ, Straathof KCM, Vaselic-Charvat MA et al Effect of inhaled steroids on airway hyperresponsiveness, sputum eosinophils, and exhaled nitric oxide levels in patients with asthma. Thorax 1999; 54:403.

57.Petsky HL, Kew KM, Chan AB. Exhaled nitric oxid levels to guide treatment for children with asthma. Cochrane Database Syst Rev 2016;11Cd011439.

58. Petsky HL, Kew KM, Turner C, Chang AB. Exhaled nitric oxide levels to guide treatment for adults with asthma. Cochrane Database Syst Rev 2016;9:Cd011440.

59.Van Den Berge M, Meijer RJ, Kertjens HA et al. PC(20) adenosine 5'-monophosphate is more closely associated with airway inflammation in asthma than PC(20) methacholine. Am J Respir Crit Care Med 2001; 163:1546.

60.Frew AJ, Langley SJ, Perrin V, Hertog MG. Effects of 4-week treatment with low-dose budesonide (100 micrograms BID) from a novel inhaler Airmax and from a conventional inhaler on bronchial hyper-responsiveness, lung function and sumptoms in patients with mild asthma. Respir Med 2002; 96:542.

61.Van Den Berge M, Meijer RJ, Kertjens HA et al. Corticosteroid-induced improvement in the PC20 of adenosine monophos´hate is more closely associated with reduction in airway inflammation than improvement in the PC20 of methacholine. Am J Respir Crit Care Med 2001; 164:1127.

62.British guidiline on the management of asthma. Thorax 2014; 69 suppl1:11-37.

63.Bjermer, L, Alving K, Diamant, Z et al. Current evidence and future research needs for FeNO measurement in respiratory diseases. Respir Med 2014;108;830-841.

Última Atualização: - 08 /01/2019