Informações aos Pacientes

Versão em PDF
Copyright 1997 - 2019 Dr. Pierre d'Almeida Telles Filho

Asma Brônquica

Como utilizar o spray-dosimetrado de forma correta

Em 1956 Maison, consultor médico no Riker Laboratory (hoje 3M Pharmaceuticals), desenvolveu um dispositivo conhecido como spray- dosificador, que veio facilitar o manejo da asma. Trata-se de uma pequena lata pressurizada (foto), que contém a medicação em solução ou mais frequentemente, em suspensão, num propelente líquido. Um ou mais surfactantes podem estar presentes para ajudar a manter o fármaco em suspensão na mistura e ajudar a lubrificar a válvula unidirecional, medidora de dose, capaz de livrar a mesma quantidade de broncodilatador por jato. A mistura de propelentes é volátil a temperatura ambiente, o que proporciona uma pressão ejetora quando a válvula é aberta. Os propelentes mais utilizados até agora eram os clorofluorocarbonados (CFCs), incluindo o triclorofluormetano (CFC 11), diclorodifluormetano (CFC 12) e diclorotetrafluoretano (CFC 114).

Ao nível do mar, os CFCs são moléculas estáveis, e quimicamente não são reativos ou tóxicos aos seres humanos. Quando liberados os CFCs sobem na atmosfera, alcançando a estratosfera inferior dentro de 6 a 24 meses, quando eventualmente são degradados pelo sol liberando cloro. O cloro é uma molécula altamente reativa que pode destruir o ozônio, que age como uma manta protetora entre a superfície da terra e a radiação solar ultravioleta (UV). Apesar da contribuição estimada de menos de 1% à depleção de ozônio, o Protocolo de Montreal sobre Substâncias que Depletam a Camada de Ozônio (1987) determinou a descontinuação de tais compostos. Surgiram então estudos com outros propelentes alternativos sem cloro – os hidrofluoralcanos (HFA) ou hidrofluorcarbonos (HFC).

Quando o spray é utilizado de forma correta, somente 2 a 10% se depositam nos pulmões. O restante é deglutido e absorvido pelo tubo gastrintestinal e inativado pela passagem pelo fígado. Se o dispositivo for mal utilizado o depósito nos brônquios pode ser ínfimo.

Os principais erros na manipulação do spray são:

1.  Inspiração insuficiente.

2.  Má sincronização mão/boca (a pressão sobre a latinha não é efetuada no início da inspiração).

3.  Curto tempo de apneia, imediatamente após a inspiração.

Nos pacientes com inspiração insuficiente ou com má sincronização na inalação, existe uma forma para minimizar estas dificuldades, que é a utilização de uma câmara de inalação, também conhecida como espaçador.

O espaçador é um reservatório que estoca o medicamento nebulizado, reduzindo o número de partículas de 10 µm que chegam até a boca . Partículas de 1 a 5 µm são as ideais, depositando-se nas pequenas vias aéreas cumprindo seu papel terapêutico. A eficiência do espaçador depende do tamanho, volume, da presença de baixa carga eletrostática, de sua forma e também da boa utilização. O volume médio é de 750 ml.

O spray-dosificador encaixa-se em uma de suas extremidades. Na outra, encontra-se o bocal, onde existe uma válvula unidirecional, pela qual o paciente inala.

Após a introdução de um a cinco jatos do spray em seu interior, o paciente inspira com ciclos respiratórios profundos. A inalação através do espaçador deve ser feita imediatamente, pois a meia-vida da droga liberada pelo spray, na câmara do espaçador, é menor que 10 segundos.

Outro aspecto técnico para o uso do espaçador de grande volume é a abolição do efeito de inércia do aerossol. Espaçadores de pequeno volume reduzem também a velocidade das partículas inaladas, porém são menos eficazes em aumentar a fração que chega aos pulmões. A válvula unidirecional permite que o paciente inale o conteúdo da câmara e exale por orifícios laterais, impedindo a reinspiração. Uma parte do medicamento se deposita nas paredes do espaçador, geralmente aquelas partículas maiores.

Os espaçadores desenvolvem uma carga eletrostática que reduz consideravelmente a quantidade de droga disponível para o paciente. Os modelos mais recentes são fabricados com material que não apresenta carga eletrostática. Para reduzir este problema com os espaçadores de plástico e para aumentar a sua eficiência, eles devem ser lavados com detergentes, sendo a sua secagem somente por escoamento do líquido da lavagem, sem utilizar toalhas de tecido ou papel.

Etapas para a  correta utilização  do Spray-dosificador

Selecionar uma das três formas de uso do spray - A ou B são as melhores, porém a C pode ser utilizada caso haja dificuldades com A ou B.

Preparando-se para o uso

1.  Retirar a tampa do bocal;

2.  Agitar vigorosamente;

3.  Segurar o spray de acordo com A, B ou C, conforme as instruções do médico assistente.

Inspirar lentamente

1.  Expirar até o final do volume corrente (final de uma expiração normal);

2.  Iniciar a inspiração lentamente pela boca. Pressionar o spray uma vez. (Se utilizar  o espaçador, pressionar o spray. Após 2 a 3 segundos, comece e inspirar lentamente);

3.  Continuar inspirando lentamente, tão profundamente possa.

Prender a respiração

1.  Prender a respiração por 10 segundos, se possível;

2.  Quando da inalação de ß2-agonistas de curta ação, aguardar cerca de 1 minuto até livrar a nova dose. No caso de outros medicamentos, como corticoides não há necessidade de intervalo interdoses.

Última Atualização: - 11/01/2019