Informações Médicas

Home Versão em PDF
Copyright © 1997 - 2019 Dr. Pierre d'Almeida Telles Filho

Asma Brônquica

Introdução

A característica principal da asma é a inflamação. Contrastando com a vasta maioria de patologias pulmonares e de outros órgãos, em que ocorrem respostas limitadas de injúria e reparação, a inflamação alérgica na asma se inicia na sua grande maioria na infância e persiste ao longo da vida do paciente acometido pela doença.

A asma é caracterizada pelo aumento da expressão de múltiplas proteínas que estão envolvidas em uma complexa cascata inflamatória. Estas proteínas inflamatórias incluem citocinas, quimocinas, enzimas que produzem mediadores inflamatórios, receptores para mediadores inflamatórios e adesão de moléculas. O aumento da expressão da maioria destas proteínas é resultado de um aumento na transcrição genética, sendo que vários destes genes não são expressos em células normais sob condições habituais. Mudanças na transcrição de genes são reguladas por fatores de transcrição. Nas doenças inflamatórias, os fatores de transcrição ativados por estímulos inflamatórios (alérgenos, vírus, oxidantes e citocinas) acionam genes, determinando aumento da síntese de proteínas inflamatórias.

A descrição do quadro inflamatório da asma foi relatada pela primeira vez em estudos de autópsia em casos agudos fatais, na década de 60.1

Com o advento da broncofibroscopia e suas técnicas associadas (lavado broncoalveolar (LBA), escovado brônquico, biópsia endobrônquica, e biópsia transbrônquica), medida do óxido nítrico endobrônquico e do condensado respiratório, tornou-se possível nos últimos 25 anos conhecer melhor a biologia pulmonar, a complexidade da inflamação, os mecanismos imunológicos e os processos de injúria e reparação, envolvidos na patogênese da asma. Com estes procedimentos teve-se a oportunidade de recolher e avaliar os vários tipos de células, inúmeros mediadores químicos, proteínas, enzimas, envolvidos na asma leve e moderada.2,3. Resultados promissores na avaliação da inflamação têm sido obtidos com a técnica do escarro induzido. Seus resultados têm sido comparados aos do lavado broncoalveolar e escovado.4-7 Trata-se de técnica não invasiva e de fácil execução, podendo ser repetida várias vezes para avaliações sequenciais, mesmo em pacientes com asma severa.

A asma é uma doença genética complexa. Após a introdução de técnicas avançadas de biologia molecular, estudos começaram a ser efetuados com o propósito de avaliar se a asma é determinada geneticamente ou se aberrações genéticas são necessárias para permitir que fatores ambientais determinem a expressão clínica da doença. Os dados atuais sugerem que ambas as hipóteses são corretas (Figura 1).

A expressão clínica do fenótipo da asma pode refletir uma complexa interação entre um número muito variado de genes predisponentes e suas variantes polimórficas, associada a relevantes influências ambientais.

Muitos fenótipos têm sido identificados, e alguns dos mais comuns incluem: a asma desencadeada em consequência de inalação de poeira doméstica, polens, pêlos, substâncias excretadas por animais; irritantes (fumaça de cigarro, poluição ambiental, smog, gás natural, propano); pó de giz, odores fortes, formaldeído presente em divisórias e aglomerados de madeira ou cortiça, aerossóis químicos (fluorocarbono de sprays de limpeza, spray de cabelo); mudanças de temperatura e pressão do ambiente; distúrbios psicológicos e psiquiátricos (depressão, ansiedade, ataques de pânico); hiperventilação e hipocapnia (riso, choro, grito); exercício; refluxo gastresofagiano; uso de beta-bloqueadores por via sistêmica ou tópica (colírios), uso de aspirina e outros anti-inflamatórios não-hormonais; aditivos de alimentos (sulfitos, tartrazina); infecções virais, e fatores endócrinos (ciclo menstrual, gravidez, doença tireoideana).

A prematuridade traz um risco aumentado para o desenvolvimento da asma. Fetos nascidos com menos de 37 semanas de gestação apresentam maior risco para desenvolver asma do que o recém-nascido a termo.

Foi postulado que o uso do paracetamol ou acetaminofen pode aumentar o risco de desenvolver asma devido aos seus efeitos pró-oxidantes (por depleção do antioxidante glutationa do tecido pulmonar).53 Vários estudos descreveram a associação do uso de paracetamol ou na gravidez ou na primeira infância ou em adultos e o desenvolvimento de asma brônquica.54-56

A asma é uma doença poligênica e multifatorial, e os genes relacionados à asma podem ser identificados por uma técnica conhecida por clonagem posicional ou examinando-se os genes candidatos. Existem pelo menos doze regiões genômicas relacionadas a asma. Como a asma está associada a atopia, os genes que a predispõem têm sido pesquisados, havendo vários lócus relacionados, como o do receptor IgE de alta afinidade FcεRIβ no cromossomo 11 q; a IL-4 no braço longo do cromossomo 5, na posição  5q23-31 dentro de um complexo que contém genes para outras citocinas, como a IL-3, 4, 5, 9, 12 e 13, além do receptor β2 (β-AR); e o receptor IL-4 (IL-4R cadeia α) no cromossomo 16p12.8-12 A ligação entre hiperresponsividade brônquica e IgE sérica total tem sido demonstrada no cromossomo 5;10 eosinofilia está associada ao cromossomo 6 e o receptor de célula T ao cromossomo 14q. O cromossomo 12 contém os genes que codificam o interferon-γ (IFN-γ), o fator de crescimento do mastócito (MGF), o fator de crescimento da insulina (IGF) e a sintase do óxido nítrico constitutiva (NOS). Na Tabela 1 são apresentados os genes candidatos investigados, os lócus relacionados e a função desempenhada na asma e atopia.

Análises sistemáticas em todo o genoma têm sido executadas para os genes que predispõem a asma, testando-se as características genéticas relacionadas a atopia, aos testes cutâneos, a IgE sérica total, a contagem dos eosinófilos sanguíneos, e a responsividade brônquica. Associações potenciais têm sido identificadas nos cromossomos 4, 6, 7, 11, 13 e 16,13 o que indica que a predisposição genética para a asma pode ser muito complexa.

Membros da Universidade de Southampton junto a Schering-Plough e a Genome Therapeutics Corporation publicaram descoberta de um gene relacionado a asma.14 Foi o primeiro gene de susceptibilidade à asma clonado posicionalmente, o que significa que sua posição exata no genoma foi identificada antes de se conhecer a função do gene. Trata-se do gene ADAM33 (A desintegrin and metalloprotease 33), membro do subgrupo da família da metaloprotease zinco-dependente, fortemente associado à hiperresponsividade brônquica. Neste estudo, através da técnica de clonagem posicional, utilizando larga e minuciosa varredura do genoma, investigaram 460 famílias inglesas e americanas, de raça branca, com pelo menos duas crianças com  o diagnóstico confirmado de asma e em uso de medicação específica para a doença. Uma análise de 135 polimorfismos em 23 genes identificou o gene ADAM33 (cromossomo 20p13) com forte associação à asma,  utilizando-se estudos de casos-controledesequilíbrio de ligação e análises do haplótipos.  Mais recentemente, seu papel na patogênese da asma foi implicado no remodelamento das vias aéreas, na progressão da doença e também na doença pulmonar obstrutiva crônica.57

Em maio de 2003, após seis anos de pesquisas pela técnica de clonagem posicional, o grupo do Professor William O.C.M. Cookson e da Dra Miriam F. Moffatt, da University of Oxford's Wellcome Trust Centre for Human Gentics anunciaram online15 um novo gene, o PhF11, no lócus do cromossomo 13q14, que influencia os níveis de IgE na asma. O gene PhF11 (Figura 2) contém dois  dedos de zinco PHD e provavelmente regula a transcrição da IgE.

Em junho de 2003 Nives Zimmermann da Divisão de Alergia e Imunologia do Cincinnati Children's Hospital Medical Center − OH − EUA e colegas de Canberra − Austrália, Montreal − Canadá e San Diego − CA − EUA,  anunciaram a identificação de um conjunto de 291 sequências de DNA humano provavelmente relacionadas com a asma.16 Os genes foram identificados com a tecnologia de Chips de DNA (DNA microarray analysis), que permite analisar simultaneamente a expressão de múltiplos genes. A asma foi induzida em camundongos utilizando dois alérgenos conhecidos: uma proteína do ovo, a ovoalbumina (OVA) e um fungo, o Aspergillus fumigatus. Após a indução da doença, os pulmões dos animais foram analisados utilizando-se a técnica de Chips de DNA a fim de se observar as mudanças na expressão gênica. Constataram que 6,5% dos 12.422 genes analisados demonstravam uma expressão alterada no pulmão dos animais submetidos a provocação alérgica, quando comparado aos animais submetidos a provocação com solução salina. Um dado importante foi a constatação de que entre os genes identificados − 496 no modelo da OVA e 527 no modelo Aspergillus, 291 eram comuns aos dois grupos.

Em abril de 2004 pesquisadores do Departamento de Biociências e do Centro de Pesquisas Clínicas do Instituto Karolinska, de Estocolmo - Suécia, sob o comando de Dr. Juha Kere, professor de genética molecular, divulgaram ter encontrado dois novos genes diretamente ligados a asma e a atopia. Estes genes, denominados GPRA (G protein-coupled receptor for asthma susceptibility) e AAA1, estão localizados no cromossomo 7p. O GPRA é expresso nas vias respiratórias, na pele e intestinos, podendo explicar as manifestações alérgicas que ocorrem na asma e na pele, como o eczema (dermatite atópica). O GPRA pertence a uma classe especial de receptores acoplados a proteína G. Como estes genes afetam o paciente com asma ainda não foi determinado. Analisaram cerca de 900 pacientes em três populações restritas, duas na Finlândia e uma no Canadá. Em paralelo, efetuaram estudos do gene GPRA em modelo animal murídeo. O AAA1 não foi avaliado em modelo animal por não ser um gene codificante de proteínas e, portanto, não ter um ortholog no rato que permita análise. Ambos os estudos confirmaram a implicação do GPRA na patogênese da atopia e asma.

Um dos mais importantes estudos da genética da asma até hoje efetuado foi realizado em 2010 por um consórcio de mais de cem centros em todo o mundo.58 Foi elaborado um largo estudo GWA (o estudo GABRIEL), que genotipou 10.365 pessoas com asma e 16.110 pessoas não afetadas para testar a associação entre 582.892 SNPs e asma. Este grande estudo identificou genes nos cromossomos 2 ( IL1RL1 / IL18R1 ), 6 ( HLA-DQ ), 9 ( IL33 ), 15 ( SMAD3 ), 17 ( ORMDL3 / GSDMB ) e 22 ( IL2RB ) associados à asma. O gene ORMDL3, em particular, foi associado ao início da doença na infância, enquanto o gene HLA-DQ estava relacionado à asma de início tardio. Além disso, os resultados mostraram que 38% de todos os casos de asma na infância foram atribuídos a uma combinação dos genes identificados.

O estudo também encontrou uma associação entre IgE sérica total e o gene HLA-DRB1 dentro da região de classe II do complexo principal de histocompatibilidade (MHC) no cromossomo 6. No entanto, esse locus não estava associado à asma; a maioria dos locos de suscetibilidade identificados para asma não foi associada à IgE, sugerindo que a elevação da IgE sérica total tem apenas um papel menor no desenvolvimento da asma.

Na Tabela 2 encontram-se os mais recentes (2011) genes de susceptibilidade para a asma identificados por clonagem posicional ou estudo genético de associação.

Tabela 2: - Tabela retirada da apresentação do Prof. S. Holgate na ERS Lung Science Conference 2011 - Current Status of Asthma Reserch: atopy and the espithelium.

A exposição a alérgenos, particularmente nos primeiros anos de vida, pode determinar inflamação crônica alérgica nas vias aéreas de indivíduos geneticamente suscetíveis. Outros fatores de risco para o desenvolvimento de resposta inflamatória são: infecções virais na infância, ausência de amamentação com leite materno, exposição ambiental domiciliar à fumaça do tabaco de pais fumantes (Figura 3), poluição atmosférica (sem evidências convincentes)  e dietas com baixos teores de antioxidantes ou ácidos graxos poliinsaturados.

A origem da asma e de outras doenças alérgicas pode estar ligada ao ambiente uterino, onde a presença de citocinas do tipo TH2 é necessária para o bom êxito da gravidez, incluindo as interleucinas IL-4, IL-10 e IL-13, encontradas no líquido amniótico. Ao nascer, células mononucleares com perfil de citocinas do tipo TH2 estão presentes no cordão umbilical. A maioria das crianças ao nascer perde esta resposta TH2 fetal dominante, emergindo então resposta do tipo TH1, também conhecida como "desvio imune". Todavia, nas crianças cujos pais são atópicos e nas quais os sintomas alérgicos se desenvolvem,  esta transição é retardada e respostas TH2 persistem.17 Investigações do ambiente intra-uterino são essenciais para elucidar os mecanismos pelos quais os bebês que manifestam resposta imune alterada ao nascer  desenvolvem subsequente doença alérgica.

A elevação dos níveis séricos da IgE configura uma das características das doenças atópicas porém, deve ser salientado que a IgE não atravessa a barreira  placentária. O feto só é capaz de sintetizá-la a partir da 11a semana de gestação. A dosagem da IgE do cordão umbilical tem sido utilizada como um parâmetro preditivo para a atopia em crianças. Algumas pesquisas sugerem que a IgE do cordão umbilical é capaz de antecipar uma sensibilização precoce do feto. Em 1988, Magnusson18 demonstrou que cerca de 50% dos recém-natos que desenvolviam atopia antes dos 18 meses de idade apresentaram IgE do cordão aumentada. O mesmo autor descreveu que 30-40% das crianças atópicas apresentavam uma história  familiar negativa, sugerindo que uma pesquisa mais ampla deveria englobar todos os recém-nascidos.18 Edenharter et al. 19 em associação ao Estudo Alemão Multicêntrico de Alergia encontraram uma forte associação entre a elevação da IgE do cordão umbilical e a sensibilização precoce aos 12 meses de idade. Kaan et al. determinaram que a história de asma materna era o fator mais forte para a elevação da IgE do cordão. Outro fator era a época do nascimento, sendo que as crianças nascidas no inverno apresentavam um risco maior para a alta da imunoglobulina E.20 Um dado técnico importante a ser considerado é a possibilidade da contaminação do sangue do cordão umbilical pelo sangue materno, o que pode determinar uma falsa elevação dos níveis de IgE do cordão umbilical.

A história de doença atópica na mãe tem se mostrado um fator de risco mais importante para o feto do que a alergia paterna. Embora a IgE não atravesse a placenta ela se difunde passivamente até o líquido amniótico onde pode ser deglutido pelo feto, existindo correlação entre o nível materno da IgE e sua concentração no líquido amniótico. Este fato pode ter papel importante na sensibilização a alérgenos e subsequente desenvolvimento de doença alérgica, pois os alérgenos também podem se difundir da mãe para o feto pelo mesmo mecanismo. Ao nível da 16ª semana de gravidez, as concentrações de alérgenos no líquido correspondem a aproximadamente 10% dos níveis circulantes da mãe.21 As interações materno-placenta-feto parecem também incluir o intestino delgado. Entre a 14-16ª semanas pode-se evidenciar a presença de células apresentadoras de antígenos (APCs) neste sítio, ocorrendo a possibilidade do reconhecimento de antígenos pelo feto. Neste período da gravidez já são detectadas nos folículos linfóides do intestino fetal as moléculas do complexo principal de histocompatibilidade MHC Classe II. Quando estas células entram em contato com os alérgenos contidos no líquido amniótico, com a IgE materna e citocinas TH2, pode ocorrer uma facilitação da apresentação do alérgeno às células T do feto. A importância destas considerações necessita confirmação.

A chamada "hipótese da higiene" busca explicar o notável aumento das doenças mediadas via IgE, como a asma, o eczema e a rinite, que ocorreu durante as últimas décadas, relacionada ao ambiente.22 Esta exacerbação é mais prevalente em países industrializados, ocidentais, e é paralela ao desenvolvimento de estilos de vida ocidentalizados. A conexão entre sensibilização alérgica e estilo de vida, conduziu a elaboração desta teoria, na qual o aumento da higiene e asseio, o uso difundido de antibióticos, de água potável purificada e as imunizações por vacinas podem ter privado o sistema imune em desenvolvimento, de estímulos ambientais moldados pela evolução, para manter a imunidade adaptativa longe das respostas TH2. Em síntese, ocorre uma redução nas taxas de estimulação microbiana na infância.23,24

Dados epidemiológicos confirmam que a prevalência de atopia em crianças que moram em fazendas e granjas, e que estão em contato direto com a criação de animais, é bem menor do que aquela de crianças morando nas mesmas cidades e que não têm, entretanto, o mesmo estilo de vida rural.24-27 Isto ocorre em decorrência da alta exposição das crianças aos produtos bacterianos, como por exemplo, a endotoxina.

A exposição aos "micróbios", através de infecção ativa ou mesmo na ausência de infecção, pode iniciar resposta protetora. Na ausência de infecção, podem estar envolvidos, tanto os componentes viáveis como os não-viáveis ou fragmentos de um ampla variedade de microrganismos encontrados em diferentes concentrações, em diversos ambientes. Estes derivados bacterianos são primariamente reconhecidos pelo sistema imune inato, podem levar à respostas protetoras, especialmente ao nível das citocinas. A exposição aos derivados bacterianos pode apresentar um papel importante no desenvolvimento de respostas imunes principalmente nas fases de maturação imune das crianças, resultando no desenvolvimento de tolerância imune a potenciais alérgenos.

A endotoxina é um lipossacarídeo que forma a camada exterior da membrana celular de todas as bactérias gram-negativas. Os níveis de endotoxinas variam amplamente mas tendem a ser mais altos em ambientes onde se encontram os animais de fazenda, como vacas, cavalos e porcos, pois a flora intestinal de mamíferos maiores é a fonte principal de endotoxina. A endotoxina também é encontrada na poeira das casas e no ar. Quando em suspensão as endotoxinas podem ser inaladas ou podem ser engolidas, atuando como uma potente molécula imunoestimulatória através dos lipídios que a compõem.  A endotoxina estimula a produção pelas células dendríticas, de IL-12 que induz as células TH1 e as células assassinas “natural killer” a produzirem o interferon-γ e desse modo, desviam o sistema imune para uma resposta TH1, com ação protetora contra a alergia. O receptor para lipossacarídeos nas células dendríticas é o CD14, uma molécula capaz de interagir com componentes bacterianos, incluindo Mycobacterium tuberculosis.

Dois mecanismos tentam explicar a teoria da higiene: o primeiro mecanismo aceito relaciona-se a diminuição na estimulação antigênica decorrente da redução na frequência de infecções na infância, resultando em uma diminuição nos níveis de citocinas reguladoras, especificamente a  IL-10, a IL-12 e o TGF-β. O segundo mecanismo relaciona-se a estimulação do sistema imune inato pela endotoxina, desempenhando importante papel na ontogênese do sistema imune normal.

Na mesma linha de raciocínio, alguns estudos sugerem que a falta de infecções virais na infância possa predispor ao desenvolvimento da asma. Por exemplo, crianças que contraem sarampo apresentam menor probabilidade para atopia do que aquelas que receberam imunização através de vacinas. Os micróbios constituem-se provavelmente, no principal estímulo da imunidade mediada via TH1.

Alguns estudos apóiam a hipótese da "teoria da higiene". Por exemplo:

1.   Em um estudo coorte de 262 crianças em Guiné-Bissau, na África Ocidental, a incidência de sarampo era inversamente proporcional a atopia25

2.   Na Itália, em alunos da Escola da Força Aérea, a prevalência de atopia era menor entre aqueles que apresentavam  soropositividade para o vírus A da hepatite29

3.   No Japão, um grupo de crianças em idade escolar que recebeu vacina BCG e que apresentava forte reação à tuberculina, apresentava baixa incidência de asma e de níveis de IgE sérica30

4.   Na Finlândia, um estudo comparou um grupo controle com outro com história pregressa de tuberculose, analisando em função da idade, sexo e região geográfica. Detectou-se que a história de tuberculose ativa na infância reduzia significantemente a ocorrência de asma subsequente em pacientes do sexo feminino31

5.   Braun-Fahrälander et al. mediram os níveis de endotoxinas bacterianas na poeira de colchões de 812 crianças (média de idade de 9,5 anos) que habitavam áreas rurais, em fazendas ou não. Constataram que quanto maior o nível de endotoxina menor era a ocorrência de rinite alérgica, asma atópica e sensibilização alérgica. Crianças que foram expostas aos níveis mais elevados de endotoxina, apresentaram incidência 80% menor de doenças alérgicas do que aquelas expostas aos mais baixos níveis. A exposição a endotoxina correlacionava-se inversamente com a produção de várias citocinas pelos leucócitos (TNF-a, IFN-γ, IL-10 e IL-12) configurando uma downregulation das respostas imunes32

6. Stein et al. avaliaram a imunidade inata e risco de asma em crianças de dois povos semelhantes, que vivem em comunidades, afastados da sociedade, em ambientes agrários, e possuem perfis genéticos semelhantes: os Amish e Hutterites. Os Amish apresentam, entretanto, a incidência de asma três quartos inferior que os Hutterites. Os autores investigaram o sistema imunológico e o perfil genético de 60 crianças de 7 a 14 anos - 30 de cada população, além de recolherem amostras de ar, poeira do chão e colchões de uma dezena de casas de cada comunidade. O pó colhido nas casas dos Amish tinha cerca de 6 vezes mais endotoxinas que o das casas dos Hutteritas, o que deve ter modulado a resposta do sistema imunológico das crianças. Um ponto importante que os diferencia e corrobora a hipótese é que enquanto os Amish cultivam suas terras de forma tradicional, com a ajuda de animais - cavalos e bois, os Hutteritas praticam a mecanização em larga escala33

A "hipótese dietética" está relacionada ao aumento na industrialização dos alimentos nas últimas três décadas, com substancial acréscimo no número de bebidas e alimentos processados com aditivos químicos.  Em paralelo, ocorreu a diminuição do consumo de alimentos frescos, como os peixes, frutas e vegetais, que contêm ácidos graxos poliinsaturados e antioxidantes (vitaminas A, C e E). O aumento do risco de desenvolver asma tem sido relacionado aos baixos níveis de zinco, magnésio e manganês na dieta.

A obesidade, hoje considerada uma doença, está em franco aumento na população mundial, constituindo-se em um fator de risco para asma, especialmente nas mulheres e relacionada a asma mais severa. Fatores endócrinos como as leptinas, e outras adipocinas como a adiponectina e resistina, também têm ações nas células imunes e inflamatórias, podendo afetar a função das vias aéreas e aumentar a probabilidade para o desenvolvimento da asma.34,35 A perda de peso nestes pacientes é acompanhada de melhora e controle mais efetivo da asma.

Outra hipótese para a asma relaciona-a a certas infecções, pela detecção nas vias aéreas, principalmente em pacientes com asma severa,  de Mycoplasma pneumoniae e Chlamydia pneumoniae pela reação em cadeia da polimerase (PCR). Alguns estudos, embora em pequena escala, corroboram esta teoria, demonstrando melhora estatisticamente significante na função pulmonar e na redução da responsividade brônquica à histamina, após tratamento com macrolídeos.36,37

Em relação ao fator ambiental suspeita-se que exista um potencial papel das condições climáticas na etiologia da asma e alergias.38-40 A maioria dos estudos sobre os efeitos do clima foi efetuada correlacionando-se as variações climáticas por curtos períodos ou sob certas condições metereológicas, com a ocorrência e/ou gravidade dos sintomas de doenças atópicas. Pouco foi descrito sobre os efeitos das condições climáticas a longo prazo na prevalência da asma.

Um estudo de grande escala, envolvendo crianças de 50 países concluiu que as taxas de asma e do eczema alérgico podem ser afetadas pelo clima. Este estudo publicado no Occupational and Environmental Medicine41 foi baseado em análise de mais de 650.000 crianças. A pesquisa faz parte de um projeto maior de pesquisa internacional, o ISAAC - International Study of Asthma and Allergies in Childhood.

As pesquisas levaram em conta vários fatores relacionados ao clima, incluindo altitude, latitude, temperatura e umidade. Concluíram que todos são capazes de afetar a asma e o eczema atópico, sendo que o elemento mais importante foi a umidade relativa do ar no interior das residências.

Na Europa Ocidental (57 centros em 12 países) para um aumento médio anual estimado de 10% na umidade relativa do ar no interior das casas, a prevalência de sintomas de asma reportada aumentou 2.7%, para um intervalo de confiança de 95% - 1.0% a 4,5%. Uma possível explicação pode ser decorrente da preferência dos ácaros da poeira doméstica por ambientes úmidos, assim como a maior presença de fungos que pode causar reações alérgicas.

Nesta publicação,41 a prevalência de sintomas de asma era inversamente relacionada a altitude e a variação anual da temperatura e umidade relativa (externa) do ar. O eczema atópico tinha sua prevalência positivamente associada com a latitude e negativamente com a temperatura

Menos asma foi informada em países onde a umidade relativa do ar era inferior a 50% durante pelo menos um mês ao ano. A prevalência era menor nos locais de maior altitude ou onde ocorriam maiores variações na temperatura.

A fumaça do cigarro é também um importante fator que contribui para a gravidade da asma,42 atuando através do aumento da resistência dos pacientes aos corticoides43 e por induzir uma intensa resposta neutrofílica.44 Determina mais sintomas, exacerbações frequentes e mais severas além de acelerar o declínio da função pulmonar ao longo do tempo.45-47 Estudos de metanálise demonstraram que a exposição ao fumo passivo aumenta a incidência de sibilos e asma em crianças e adultos jovens em cerca de 20% e que em casais que não fumam a incidência de asma em seus filhos é muito mais baixa.48

O estresse pode também desencadear a asma de forma multidimensional, endócrina, neural, imune e comportamental. Existem evidências obseracionais de que eventos severos negativos na vida de crianças e adolescentes possam aumentar o risco de ataques de asma nas semanas subsequentes ao fato.49 Uma associação entre eventos da vida cotidiana e riscos de asma têm sido reportados em estudos retrospectivos50-52 e em pelo menos um estudo prospectivo entre adultos.

Na maioria dos casos a asma é primariamente uma doença alérgica. As doenças alérgicas são caracterizadas por reações bifásicas mediadas pela imunoglobulina E (IgE). A resposta imediata se desenvolve alguns minutos (15-20 min) após a exposição ao antígeno, resolvendo-se em 1-2 h. A fase tardia ocorre em aproximadamente 2/3 dos asmáticos, desenvolve-se de quatro a oito horas após a provocação alérgica e  associa-se à transitória eosinopenia sanguínea  (2-96 h), simultânea ao aparecimento de eosinófilos no lavado broncoalveolar (BAL) (Figura 4). A resposta das vias aéreas à provocação antigênica se presta particularmente para o estudo e compreensão da patogênese da inflamação na asma. Nesta, várias células são ativadas gerando um processo caótico cíclico, com substâncias ativando e reativando outras células, mesmo quando a causa desencadeante já tenha sido removida. A inflamação é a responsável pelo aumento da responsividade brônquica.

Referências

01.Dunnill MS. The pathology of asthma with special reference to changes in the bronchial mucosa. J Clin Pathol 1960;13:224.

02.Beasley R, Roche WR, Roberts JA, Holgate ST. Cellular events in the bronchi in mild asthma and after bronchial provocation. Am Rev Respir Dis 1986;139:806.

03.Jeffrey PK, Wardlaw AJ, Nelson FC, Collins JV, Kay AB. Bronchial biopsies in asthma: an ultrastructural quantification study and correlation with hiperreactivity. Am Rev Respir Dis 1989;140:1745.

04.Kavuru MS, Raed A, Dweik MD, Thomassen MJ. Role of bronchoscopy in asthma research. Clin Chest Med 1999;20:153.

05.Fahy JV, Wong H, Liu J, et al. Comparison of samples collect by sputum induction and bronchoscopy from asthmatic and healthy subjects. Am J Respir Crit Care Med 1995;152:53.

06.Grootendorst DC, Sont JK, Willems LNA, et al. Comparison of inflammatory cell counts in asthma: Induced sputum vs bronchoalveolar lavage and bronchial biopsies. Clin Exp Allergy 1997;27:768.

07.Maestrelli P, Saetta M, Di Stefano A, et al. Comparison of leucocyte counts in sputum, bronchial biopsies and bronchoalveolar lavage. Am J Respir Crit Care Med 1995;152:1926.

08.Standford AJ, Shirakawa T, Moffatt MF, Daniels SE, Ra C, Faux JA et al. Localisation of atopy and beta subunit of high-affinity IgE receptor (Fc epsilon RI) on chromosome 11q. Lancet 1993; 341:332.

09.Doull IJ, Lawrence S, Watson M, Begishvili T, Beaslev RW, Lampe F, Holgate T, Morton NE. Allelic association of gene markers on chromosome 5q and 11q with atopy and bronchial responsiveness. Am J Respir Crit Care Med 1996; 153:1280.

10.Postma DS, Bleecker ER, Amelung PJ, Holroyd KJ, Xu j, Panhuysen CI, Meyers DA, Levitt RC. Genetic susceptibility to asthma - bronchial hyperresponsiveness coinherited with a major gene for atopy. N Engl J Med 1995; 333:894.

11.Marsh DG, Neely JD, Breazeale DR, Ghosh B, Freidhoff LR, Ehrlich Kautzky E et al. Linkage analysis of IL-4 and other chromosome 5q31.1 markers and total serum immunoglobulin E concentrations. Science 1994; 264:1152.

12.Walley AJ, Cookson WO. Investigation of an interleukin-4 promoter polymorphism for associations with asthma atopy. J Med Genet 1996; 33:689.

13.Daniels SE, Bhattacharrya S, James A, Leaves NI, Young A, Hill MR et al. Genome-wide search for quantitative trait loci underlying asthma. Nature 1996; 383:247.

14.van Eerdewegh P, Little RD, Dupuis J, Del Mastro RG, Falls K, Simon J, Torrey D, Pandit S, Mckenny J ey al. Association of the ADAM33 gene with asthma and bronchial hyperresponsiveness. Nature 2002; 418:426.

15.Zhang Y, Leaves N I, Anderson GG, Ponting CP, Broxholme J, Holt R, Edser P, Bhattacharyya S, Dunham A, Adcock IM, Pulleyn L, Barnes PJ, Harper JI, Abecasis G, Cardon L, White M, Burton J, Matthews L, Mott R, Ross M, Cox R, Miriam F Moffatt MF, Cookson WOCM. Positional cloning of a quantitative trait locus on chromossome 13q14 that influences immunoglobulin E levels and asthma. [online] Disponível na Internet via www URL:
http://www.nature.com/cgi-taf/DynaPage.taf?file=/ng/journal/vaop/ncurrent/abs/ng1166.html. Arquivo capturado em 18 de maio de 2003.

16.Zimmermman N, King NE, Laporte J, Yang M, Mishra A, Pope SM, Muntel EE, Pegg AA, Foster OS, Hamid Q, Rothenberg ME. Dissection of experimental asthma with DNA microarray analysis identifies arginase in asthma pathogenesis. J Clin Invest 2003; 111:1863.

17.Holt PG. Key factors in the development of asthma: atopy. Am J Respir Crit Care Med 2000;161:S172.

18.Magnusson CGM. Cord serum IgE in relation to amily history and as predictor of atopic disease in early infancy. Allergy 1988; 43:241.

19.Edenharter G, Bergmann RL, Bergmann KE, Wahn V, Foster J, Zepp F, Sahn U. Cord blood-IgE as a risk factor and predictor for atopic diseases. Clin Exp Allergy 1998; 28:671.

20.Kaan A, Dimich-Ward H, Manfreda J, Becker A, Watson W, Ferguson A, Chan H, Chan-Yeung M. Cord blood IgE: Its determinants and prediction of development of asthma and other allergic disorders at 12 months. Ann Allergy, Asthma Immunol 2000; 84:37.

21.Jones CA, Holloway JA, Warner JO. Does atopic disease start in foetal life? Allergy 2000; 55:2.

22.von Mutius E. The environmental predictors of allergic disease. J Allergy Clin Immunol 2000; 105:9.

23.Romagnani S. The role of lymphocytes in allergic disease. J Allergy Clin Immunol 2000; 105: 399.

24.Romagnani S. Regulation of TH2. evelopment in allergy. Curr Opin Immunol 1994; 6:838.

25.Kilpelainen M, Terho EO, Helenius H, Koskenvuo M. Farm environment in childhood prevents the development of allergies. Clin Exp Allergy 2000; 30:201.

26.Riedler J, Eder W, Oberfeld G, Schreuer M. Austrian children living on a farm have less hay fever, asthma and allergic sensitization. Clin Exp Allergy 2000; 30:194.

27.Von Ehrenstein OS, Von Mutius E, Lili S et al. Reduced risk of hay fever and asthma among children of farmers. Clin Exp Allergy 2000; 30:187.

28.Shaeen SO, Aaby P, Hall AJ, et al. Measles and atopy in Guinea-Bissau. Lancet 1996; 347:1792.

29.Mattricardi PM, Rosmini F, Ferrigno L, et al. Cross-sectional retrospective study of prevalence of atopy among Italian military students with antibodies against hepatitis A virus. BMJ 1997; 314:999.

30.Shirakawa T, Enomoto T, Shimazu S, Hopkin JM. The inverse association between tuberculin responses and atopic disorder.Science 1997; 275:77.

31.von Hertzen L, Klaukka T, Mattila H, Haahtela T. Mycobacterium tuberculosis infection and the subsequent development of asthma and allergic conditions. J Allergy Clin Immunol 1999; 104:1211.

32.Braun-Fahrländer C, Riedler J, Herz U, Eder W, et al. Environmental exposure to endotoxin and its relation to asthma and allergic disease. N Engl J Med 2002; 347:869.

33.Stein MM, Hrusch CL. Gozdz J et al. Innate immunity and asthma risk in Amish and Hutterite farm children. N Engl J Med 2016; 375:411-421..

34. Shore SA, Fredberg JJ. Obesity, smooth muscle, and airway hyperresponsiveness. J Allergy Clin Immunol 2005;115(5):925.

35. Beuther DA, Weiss ST, Sutherland ER. Obesity and asthma. Am J Respir Crit Care Med 2006;174(2):112.

36.Ekici A, Ekici M, Erdemoglu AK. Effect of azithromycin on the severity of bronchial hyperresponsiveness in patients with mild asthma. J Asthma 2002; 39:181.

37.Kraft M, Cassell GH, Pak J, et al. Mycoplasma pneumoniae and Chlamydia pneumoniae in asthma: effect of clarithromycin. Chest 2002; 121:1782.

38.Tromp SW. Influence of weather and climate on asthma and bronchitis. Rev Allergy 1968; 22:1027.

39.Cullen KJ. Climate and chest disoreders in schoolchildren. BMJ 1972; 4:65.

40.Corey MJ, Cordon I. Asthma and climatic conditions:experience from Bermuda, an isolated island community. BMJ 1986; 293:843.

41.Weiland SK, Husing A, Strachan DP, Rzehak P, Pearce N, and the ISAAC Phase One Study Group. Climate and the prevalence of symptoms of asthma, allergic rhinitis, and atopic eczema in children. Occup Environ Med 2004; 61:609.

42.ten Brinke A, Zwinderman AH, Sterk PJ, Rabe KF, Bel EH. Factors associated with persistent airflow limitation in severe asthma.
Am J Respir Crit Care Med 2001; 164: 744.

43.Thompson NC, Spears M. The influence of smoking on the treatment response in patients with asthma. Curr Opin Allergy Clin Immunol 2005; 5: 57

44.Pedersen B, Dahl R, Karlstrom R, Peterson CG, Venge P. Eosinophil and neutrophil activity in asthma in a one-year trial with inhaled budesonide: the impact of smoking. Am J Respir Crit Care Med 1996; 153: 1519

45.Silverman RA, Boudreaux ED, Woodruff PG, Amargo CA Jr. Cigarette smoking among asthmatic adults presenting to 64 emergency departments. Chest 2003; 123: 1472

46.Sturdy PM, Butland BK, Anderson HR, et al. Deaths certified as asthma and use of medical services: a national case-control study. Thorax 2005; 60: 909

47.Busselton Health Study: the effects of asthma and cigarette smoking. Am J Respir Crit Care Med 2005; 171: 109.

48.Burke H, Leonardi-Bee J, Hashim A, et al. Prenatal and passive exposure and incidence of asthma and wheeze: systematic review and meta-analysis. Pediatrics 2012; 129:735.

49.Sandeberg S, Paton JY, Ahola S, et al. The role of acute and chronic stress in asthma attacks in children. Lancet 2000; 256:982.

50.Kipelainen M, Koskenvuo M, Helenius H et al. Stressful events promote the manifestation of asthma and atopic diseases. Clin Exp Allergy 2002; 32:256.

51.Lefevre F, Moreau D, Semon E, et al. Maternal depression related to infant's wheezing. Pediatr Allergy Immunol 2011; 22:608.

52.Levitan H. Onset of asthma during intense mourning. Psycosomatics 1985; 26:939.

53.McKeever TM, Lewis SA, Smit HA, Burney P, Bretton JR, Cassano PA. The association of acetaminophen, aspirin, ans ibuprfen with respiratory disease and lung function. Am J Respir Crit Care Med 2005;171:966.

54.Shaheen SO, Potts J, Gnatiuc L et al. The relation berween paracetamol use and asthma: a GA2LEN European case-control study. Eur Respir J 2008; 32:1231.

55.Shahenn SO, Newson RB, Sherriff A et al. Paracetamol use in pregnancy and wheezing in early childwood. Thorax 2002; 57:958.

56.Shaheen SO, Sterne JA, Songhurst CE, Burney PG. Frequent paracetamol use and asthma in adults. Thorax 2000; 55:266.

57. Aierken H, Wang J, Wushouer Q, Shayhidin E, Hu X, Syed I, et al. Polymorphisms of the ADAM33 gene and chronic obstructive pulmonary disease risk: a meta-analysis. Clin Respir J. 2014; 8: 10815.

58. Moffatt MF, Gut IG, Demenais F, Strachan DP, Bouzigon E, Heath S, et al. A large-scale, consortium-based genomewide association study of asthma. N Engl J Med. 2010; 363: 121121.

Última Atualização: - 01/12/2018