Informações Médicas

Home Versão em PDF
Copyright © 1997 - 2019 Dr. Pierre d'Almeida Telles Filho

Asma Brônquica

Tratamento da Asma :: Situações Específicas

Para a maioria dos pacientes, a asma exercício induzida é a expressão da asma malcontrolda e o tratamento regular incluindo, os corticoides inalados, deve ser revisto.

Tratamento da Asma de Exercício

1.  Antes de qualquer atividade física efetuar um aquecimento prévio por 5-10 min, o que ajuda a minimizar a AEI em muitos atletas.

2.  Como a respiração de ar aquecido e umidificado é benéfica para os pacientes com AEI, preconiza-se sempre a respiração nasal. Isto pode ser difícil quando de atividades aeróbicas vigorosas, quando ocorre aumento importante da ventilação ou quando de patologia nasal associada (p. ex. rinite).

3.  Inalar duas doses do spray-dosificador de ß2-agonista de curta ação (p. ex. salbutamol) 4-6 minutos antes da atividade física (pré-medicação), o que reduz ou mesmo suprime a AEI em cerca de 80-90% dos pacientes.

4.  Se apesar destas medidas o paciente continua a desencadear AEI , outras alternativas devem se propostas, como a utilização de ß2-agonistas de longa ação (p. ex. formoterol) ou antagonista de receptor de leucotrienos (LTRA) (p. ex. montelucaste).

5. Como em qualquer tipo de asma, a utilização de anti-inflamatório, especialmente o corticoide por inalação, ainda se constitui na principal forma de tratamento profilático da AEI.

Tabela 1 – Doses e duração de ação das drogas utilizadas na profilaxia da AEI

Tratamento da Asma em Atletas de Alta Performance - Peculiaridades

Não existe um guideline específico para o tratamento de atletas competitivos, sendo as recomendações para o tratamento as mesma recomendadas pelo GINA. O plano terapêutico consiste em: 1) educação do paciente, incluindo instruções e orientação para o auto-tratamento, manuseio adequado de inaladores através de conhecimento da técnica correta de sua aplicação, plano por escrito para o caso de piora da doença; 2) cuidados ambientais; 3) plano terapêutico com drogas individualisado; 4) tratamento das co-morbidades tais como a rinite, muito frequente em atletas; e 5) follow-ups regulares.

Os corticoides por inalação em baixas doses devem ser prescritos quando o atleta necessita utilizar o b2-agonista mais de duas vezes por semana, incluido as doses requeridas para prevenir a broncocontrição induzida pelo esforço. Entretanto, recentes recomendações sugerem que para alguns pacientes, os corticoides por inalação devam ser introduzidos precocemente, se os sintomas da asma ocorrerem ou a medicação de resgate for necessária mais de duas vezes por mês, particularmente, se há fatores de risco para exacerbações. Se o corticoide por inalação sozinho não for capaz de controlar a asma, deve-se considerar adicionar outra droga, neste caso, um b2-agonista de longa ação.1

Tolerância dos b2-agonistas na Asma de Exercício Induzida

b2-agonistas inalados imediatamente antes do esforço são altamente efetivos na prevenção da asma induzida pelo esforço, sendo amplamente utilizados com este fim. Entretanto, este efeito broncoprotetor diminui com o tratamento crônico de b2-agonistas em atletas. A redução no efeito broncoprotetor contra a asma exercício induzida (AEI) tem sido observada às vezes no espaço de uma semana de tratamento regular de b2-agonistas de curta ou longa ação em atletas .2

Embora estes estudos indiquem usualmente apenas uma parcial perda da proteção imediatamente após a inalação do b2-agonista, vários estudos que utlizaram o broncodilatador salmeterol de longa ação puderam determinar que o efeito broncoprotetor contra a AEI não é melhor que o placebo 6-9 h após a inalação em indivíduos que receberam por quatro semanas tratamento regular.3,4 Estes achados indicam que é quase completa a perda de proteção da broncoproteção dentro do intervalo usual de 12 h do broncodiladador b2-agonista de longa ação se a droga for aplicada regularmente. Esta perda na proteção não parece ser influenciada pelo tratamento regular com corticoide por inalação.5

Existe também evidência de que o tratamento regular com b2-agonistas aumente a gravidade subjacente da AEI.6,7 Em um estudo, a queda do VEF1 induzida pelo exercício foi quase duas vezes maior após uma semana de uso regular de salbutamol do que após o uso de placebo (Figura 1).

A perda da broncoproteção, a redução na broncodilatação e a piora na broncoconstrição induzida pelo exercício são devidas à downregulation dos b2-receptores das vias aéreas, resultando na perda da habilidade dos b2-agonistas em estabilizar os mastócitos das vias aéreas e funcionalmente antagonizar a contração da musculatura brônquica lisa em resposta a um aumento de mediadores broncoconstritores.8 A tolerância aos efeitos broncodilatadores e broncoprotetores dos b2-agonistas se desenvolve com alguns dias de tratamento,9 tanto para os de curta como para os de longa ação, não ocorrendo prevenção pelo corticoide, que, entretanto, deve ser mantido. A manutenção do corticoide reduz a gravidade da doença por sua ação anti-inflamatória e por reduzir a necessidade de mais broncodilatador.

Existem evidências de que o uso em dias alternados de b2-agonistas em atletas de alta performance cause menor tolerância.10 O uso diário deve ser evitado durante as sessões de treinamento, dando-se preferência aos b2-agonistas de curta ação, pois estes causam menos downregulation dos b2-receptores do que os de longa ação. Drogas alternativas podem ser úteis como os antagonistas de receptores de leucotrienos.

 

Referências:

 

01.BouletLP, O'Byrne PM. Asthma ande exercise-induced bronchoconstriction in athletes. NEJM 2015; 12:641-648.

02.Boulet LP, Hancox RJ, Fitch KD. Exercise and asthma:b2-agonistas and the competitive athlete. Breathe 2010; 7:64-71.

03.Ramage L, Lipworth BJ, Ingram CG, et al. Reduced protection against exercise induced bronchoconstriction after chronic dosing with salmeterol . Respir Med 1994; 88:363-368.

04.Nelson JA, Strauss L, Skowronski M, et al. Effect of long-term salmeterol treatment on exercise-induced asthma. N Engl J Med 1998; 339:141-146.

05.Simons FER, Gerstner TV, Cheang MS. Tolerance to the brochoprotective effect of salmeterol in adolescents with exercise-induced asthma using concurrent inhaled glucocorticoid treatment. Pediatrics 1997; 99:655-659.

06.Inman MD, O'Byrne PM. The Effect of regular inhaled albuterol on exercise-induced bronchoconstriction. Am J Respir Crit Care Med 1996; 153:65-69.

07.Hancox RJ, Subbarao P, Kamada D, et al. Beta2-agonist tolerance and exercise-induced broncospasm. Am J Respir Crit Care Med 2002; 165:1068-1070.

08.Haney S, Hancox RJ. Recovery from bronchoconstriction and bronchodilator tolerance. Clin Rev Allergy Immunol 2006; 31:181-196.

09.Haney S, Hancox RJ. Rapid onset of tolerance to beta-agonist bronchodilation. Respir Med 2005; 99:566-571.

10.Davis BE, Reid JK, Cockcroft DW. Formoterol thrice weekly does not result in the development of tolerance to bronchoprotection. Can Respir J 2003; 10:23-26.

Última Atualização: - 06/01/2019